quarta-feira, abril 26, 2006

Um pufe retalhado





Este é sem dúvida o meu preferido! Deu-me imenso trabalho, mas ficou muito giro! (Desculpem a falta de modéstia...)

Todos os retalhos foram aplicados com costura em ziguezague. Segue já para a loja!

Na 2ª feira recebi uma carta da Divisão de Animação Cultural da CMSintra. Este ano, todos os trabalhos que entreguei não receberam o selo de qualidade. Penso que a não atribuição se deveu a considerarem que o trabalho realizado numa máquina de costura não é artesanato, exigindo as normas de participação que 75% do trabalho seja manual. O ano passado, uma funcionária da CMS chegou a dizer-me que deveria ter havido um erro na atribuição de selo de qualidade a um dos meus pufes porque, ainda por cima, a minha máquina é eléctrica e não a pedal. Bem, desta vez vou tentar esclarecer esta questão por escrito. Entre a minha máquina de costura e a minha agulha prefiro a primeira, pois dá-me melhores resultados e é muito mais célere...

3 comentários:

Teresa - Zingarelho disse...

Explicaste que só o trabalho de cortar mil e uma peças de tecido que se encaixam milimetricamente em tal sítio e, não noutro qualquer, permitindo um tão original patchwork, só isso deve ocupar cerca de 75% do teu trabalho... é incrível que queiram uma costurinha manual, excluindo as benesses da modernidade! São uns critérios um pouco estranhos...

Teresa - Zingarelho disse...

E, o puff está um encanto... Parabéns!!

carlag disse...

:( é de lamentar os conceitos e o pensar de certas pessoas. Eu penso que te vi e que eras tu que estavas na última feira de Fontanelas. Acho o teu trabalho mto bonito. O patch é algo que me fascina, mas nunca me aventurei, acho que é preciso paciência, rigor...talvez um dia.
Continua o teu excelente trabalho!